quinta-feira, 8 de julho de 2010

Abaixo a Religião do Medo


Há alguns anos uns caras da Inglaterra se propuseram a fazer uma tradução da Bíblia em que estaria ausente a ideia de Deus como Senhor. Um dia destes assisti a um filme sobre a realeza britânica. Os títulos de nobreza contavam. Quando a rainha passava, todos se curvavam. Esses nobres deviam achar que imitavam a Deus. Esses reis usaram Deus para domesticar as pessoas. Diferentemente, Deus não deve ser pensado à semelhança de reis sentados em tronos de ouro. Deus deve ser pensado à Sua própria semelhança.
Abro a minha Bíblia e encontro um Deus amigo. 
Em Gênesis vejo Deus vindo se encontrar com seus dois filhos para bater papo com eles no final do dia. No Novo Testamento vejo Deus tão próximo das pessoas, mas tão próximo que não foi compreendido. O que nos faz ter medo dEle é o pecado. O que nos faz rastejar diante dEle é o pecado. Ainda bem que o amor dEle para conosco joga fora todas as manifestações de medo (Bíblia -- João 4.18), que o pecado gera. Por isto, apesar do meu pecado, eu oro a um Deus senhor e amigo, pois foi assim que Jesus O revelou. Por isto, termino as minhas orações apresentando-as "em nome de Jesus Cristo, meu Salvador, Senhor e amigo".
Abaixo o medo como sendo a atmosfera da vida.

Israel Belo de Azevedo

Nenhum comentário:

Postar um comentário